sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

APRENDENDO A DESAPRENDER


Passamos a vida inteira ouvindo os sábios conselhos dos outros. Tens que aprender a ser mais flexível, tens que aprender a ser menos dramática, tens que aprender a ser mais discreta, tens que aprender... praticamente tudo.
Mesmo as coisas que a gente já sabe fazer, é preciso aprender a fazê-las melhor, mais rápido, mais vezes. Vida é constante aprendizado. A gente lê, a gente conversa, a gente faz terapia, a gente se puxa pra tirar nota dez no quesito "sabe-tudo". Pois é. E o que a gente faz com aquilo que a gente pensava que sabia?
As crianças têm facilidade para aprender porque estão com a cabeça virgem de informações, há muito espaço para ser preenchido, muitos dados a serem assimilados sem a necessidade de cruzá-los: tudo é bem-vindo na infância. Mas nós já temos arquivos demais no nosso winchester cerebral. Para aprender coisas novas, é preciso antes deletar arquivos antigos. E isso não se faz com o simples apertar de uma tecla. Antes de aprender, é preciso dominar a arte de desaprender.
Desaprender a ser tão sensível, para conseguir vencer mais facilmente as barreiras que encontramos no caminho. Desaprender a ser tão exigente consigo mesmo, para poder se divertir com os próprios erros. Desaprender a ser tão coerente, pois a vida é incoerente por natureza e a gente precisa saber lidar com o inusitado. Desaprender a esperar que os outros leiam nosso pensamento: em vez de acreditar em telepatia, é melhor acreditar no poder da nossa voz. Desaprender a autocomiseração: enquanto perdemos tempo tendo pena da gente mesmo, os demais seguiram em frente.
A solução é voltar ao marco zero. Desaprender para aprender. Deletar para escrever em cima.
Houve um tempo em que eu pensava que, para isso, seria preciso nascer de novo, mas hoje sei que dá pra renascer várias vezes nesta mesma vida. Basta desaprender o receio de mudar.

Martha Medeiros

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Meninos de costas

Não me sonhe, por favor. Pessoas que acham que podem me amar me ofendem. É sempre muito pouco o que elas podem e é sempre muito diferente do que deveria ser amor o que elas oferecem.
Eu custo a suportar a banalidade do meu ser. Eu custo a aceitar uma relação como a que qualquer um poderia ter. Eu seria mais feliz se eu não me achasse melhor do que a minha vizinha. Mas eu sou infinitamente melhor que ela. Eu e minhas crises de ansiedade somos seres solitários, arrogantes e multiplicados por megalomanias. São mil vezes cem anos de análise e nada. Eu continuo me achando melhor que o amor igual e idiota que se oferece por ai. Melhor do que os casais e seus dilemas de festas de finais de ano e seus sonhos de vestidos brancos e seus cachorros e sacadas de predinhos neoclássicos e planos médicos familiares. Chato, chato, chato.
É sempre nojento quando aparece alguém que quer tentar me amar. Sempre daquele jeito burocraticamente aos poucos e equilibrado e respeitado pela vida social e empresarial e natural e dentro da rotina dos humanos normais do planeta que precisam ir aos poucos porque a vida em sociedade empresarial e natural e tudo isso. E então eu tenho prazer de tornar a vida de todo mundo que se aproxima de mim, achando que pode me amar igual meu vizinho ama a minha vizinha, um inferno. É que, por completa infelicidade, eu sempre acho a minha grama infinitamente mais verde.
O certo, se é que existe o certo, era eu gostar de assistir ao ato da conquista sentada confortavelmente em uma soberba cadeira de rainha. Homens adoram mulheres que se permitem galantear e sorrir entregues para seus lampejos de semi genialidade. O problema é que eu quase sempre sou muito mais engraçada e rápida e semi genial que eles. E estou tão perto de virar um homem que tenho preferido a minha masturbação a ter problemas para conviver com outro ser humano que, por experiência própria, só vai encher a porra do meu saco.
Não sei o nome de milhares de capitais de milhares de estados. A minha vida inteira tirei 6 pra passar de ano. Leio pouco. Tenho fobia de sair de São Paulo. Sou meio flácida e corcunda. Ainda assim, quando um bom moço me oferece amor, me sinto ofendida. Porque é pouco e porque se parece com tudo a minha volta e porque, definitivamente, não tenho estômago pra ser minha vizinha.
Minha vizinha, que é absurdamente igual a todo mundo, é casada com um homem que poderia se passar por qualquer ser humano da terra. Eles vivem uma vida muito parecida com todas as outras. Uma parede me separa dessa realidade insuportável e eu os odeio por isso.
Enquanto isso, gosto bastante de rapazes que, numa festa, conversam de costas pra mim. Pessoas que pouco se importam com a minha existência me libertam de ser especial. Ou, melhor, de não ser esse pequeno e medíocre “especial” que é o máximo de especial que as pessoas podem sentir e dar e ter. Resumindo: me libertam de não ser especial.
Se não me percebem não preciso entrar em contato com a dor suprema que é ser percebida de forma tediosa ou menor ou superficial ou igual todos se percebem e se têm e, por fim e rapidamente, não se suportam mais.
Sou imatura, egocêntrica e debilmente iludida por uma auto-estima analgésica de efeito rebote. E dane-se. Um dia o meu amor verdadeiro chegará e será diferente de tudo isso e nós vamos chorar de emoção por ter valido a pena não sangrar até a morte nos insistentes e rotineiros momentos de angústia e nada e vazio e solidão e inconformismo.

Tati Bernardi

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Se você fosse um livro nacional, qual livro seria? Um best-seller ultrapopular ou um relato intimista?

O site do Educar oferece essa ferramenta deliciosa para os amantes de livros. Porque sejamos sinceros quem não gostaria de ser um livro? Descubra Aqui.

Eu Sou essa contradição ai, rsrs:

"A paixão segundo GH", de Clarice Lispector.
Você é daqueles sujeitos profundos. Não que se acham profundos – profundos mesmo. Devido às maquinações constantes da sua cabecinha, ao longo do tempo você acumulou milhões de questionamentos. Hoje, em segundos, você é capaz de reconsiderar toda a sua existência. A visão de um objeto ou uma fala inocente de alguém às vezes desencadeiam viagens dilacerantes aos cantos mais obscuros de sua alma. Em geral, essa tendência introspectiva não faz de você uma pessoa fácil de se conviver. Aliás, você desperta até medo em algumas pessoas. Outras simplesmente não o conseguem entender.
Assim é também "A paixão segundo GH", obra-prima de Clarice Lispector amada-idolatrada por leitores intelectuais e existencialistas, mas, sejamos sinceros, que assusta a maioria. Essa possível repulsa, porém, nunca anulará um milésimo de sua força literária. O mesmo vale para você: agrada a poucos, mas tem uma força única.

"O alquimista", de Paulo Coelho
Há alguém no seu bairro, na sua empresa ou mesmo na região que não te conheça? Bem, podem não te conhecer pessoalmente, mas já ouviram falar de você com certeza. Popular e carismático, você está para as pessoas ao seu redor o que os best-sellers estão para os leitores: todo mundo conhece, a maioria gosta e/ou admira, mas alguns torcem o nariz devido ao seu excesso de popularidade, ou, é preciso dizer, de superficialidade mesmo. Afinal, essa personalidade que agrada a todos pode ter um quê de falta de personalidade, não é não? Bem, de toda forma, você não se importa com isso. O que importa é compartilhar a sua experiência de vida – mística ou não – e atrair admiradores.
"O alquimista" (1988) é, possivelmente, a mais conhecida das obras de Paulo Coelho, o mago das vendas em livrarias brasileiras e internacionais. Fenômeno de popularidade, já vendeu quase 38 milhões de cópias em todo o mundo e foi publicado em cerca de 140 países. E, claro, ocupa a cabeceira de muita gente em busca de autoconhecimento e entretenimento esotérico.


E tem mais...

Que personagem de Clarice Lispector é você?(Aqui)

Joana, de "Perto do Coração Selvagem" Joana se caracteriza pelo predomínio de um espírito livre e indomável. O romance narra a saga de uma mulher muito questionadora, que não se submete às convenções e é muito corajosa. É a personagem mais independente da autora. Não tem medo de nada.
Gostaram? Acesse nos links para fazer seus testes e quem fizer ai me mostra o resultado!?!


P.s: É apenas minha pessoa que não estar conseguindo comentar e responder as postagens depois que o Blogger atualizou ou é minha queridinha 3Gesinha que tá de sacanagem comigo? Por que nos últimos dias não consigo comentar em nenhum lugar [tá chato isso :( ]!!!

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Reflexo


Há uma mulher desconhecida em meu espelho e eu fiquei arrogantemente incrédula na sua frente me perguntando: quem é ela ou se já não a conheço. Penso por vezes que sim, mas estar meio indecifrável reconhecê-la. Do nada o quebra cabeça se completa e me bate uma certeza de quem se trata e tomo um susto. Viro o rosto e tento fingir desconhece-la, mas não consigo. Como se não pudesse fugir das lembranças que ela refletiu em mim a encaro nos olhos e vejo todas às historias que estão escondidas ali, no fundo dos olhos daquela mulher que vejo. Nela a uma menina amedrontada escondida em meio a cacos e poeiras de um caos incontrolável, dores semiapagadas, uma fonte de lagrimas já seca, feridas quase cicatrizadas, chegadas e despedidas destrutivas, sonhos calejados, magoas, frustações, caminhos desviados, tempos perdidos e um olhar penetrante de desespero de quem já pediu muita ajuda e não conseguiu. A naquele espelho alguém que já se afundou em tempestades de depressão por ter dando tanto do seu calor que se tornou ar frio. Á perdão dentro daquela mulher, mas não esquecimento. Tentei ignora-la mais uma vez, mas não consegui. Quis coloca-la no colo e segurar todo aquele sofrimento, mas nada daquilo cabia em minhas mãos. Logo me veio certo calafrio, pois dava pra ver um lago fundo e escuro se criando por dentro dela feito de lagrimas pesadas e carregadas de um passado que não escorria para o lado de fora. E de uma forma estranha ela me mostrava uma força destemida e determinada em se segurar. Ela tentava imitar meu autocontrole e eu tentava ensina-la, mas era algo que me parecia impossível. A mulher no meu espelho é meio indomada naquela gaiola de vidro e chora por muito tempo no cato quase sem reflexo do espelho tentando se esconder por lá, mas eu a vejo em prantos todos os dias e mais ninguém. Vejo nela certa vergonha em apenas existir, em apenas sentir. Há momentos em que seus olhos se voltam para mim e posso dizer que seu coração endurecido se quebra com facilidade por lembranças de pessoas que não a deixam na memoria. Eu vejo nela um cansaço por tanto tentar e por tanto sofrer. A mulher em meu espelho sofre por me ver tão forte e dura na queda, por não me deixar abater e seguir, e como ironia tenta se espelhar em mim como se eu lhe fosse à única criatura confiável nesse seu mundo isolado. A mulher no meu espelho tem um olhar gélido e frio que me assusta e por vezes me sufoca. A mulher do meu espelho ainda dói por um amor falido, por um sonho destruído e por seus pedaços arrancados que foram mastigados em miudezas e cuspidos na lata do lixo. Eu adoraria ajuda-la, mas quando ela me olha de volta em pleno desespero tenho mais certeza de que nada nessa vida é realmente fácil. Mas sei que o melhor para ela não faz mais parte do passado. Ela precisa aprender nem que seja dessa pior maneira de que é preciso lutar e nunca desistir, pois não quero vê-la mais como ela era antes. Sei que estou sendo dura e que apesar do meu egoísmo momentâneo a dor alheia é algo fora de cogitação, mas mesmo assim ainda acho triste e difícil aceitar seu sofrimento. Acredito que ela existe para ser feliz, que merece se realizar e acho injusto ver sua alma tão maltratada. É nessas horas que paro no tempo só olhando pra ela no fundo do espelho e vejo que não perdi minha fragilidade humana. Por mais que eu não queira acreditar não posso negar no que meus olhos são capazes de ver. Que a mulher no meu espelho sou eu e o que eu fui querendo ser com urgência o que eu ainda irei  de ser.

Williane Santos

domingo, 15 de janeiro de 2012

Eu, Modo de Usar:


Pode invadir ou chegar com delicadeza, mas não tão devagar que me faça dormir. Não grite comigo, tenho o péssimo hábito de revidar. Acordo pela manhã com ótimo humor mas ... permita que eu escove os dentes primeiro. Toque muito em mim, principalmente nos cabelos e minta sobre minha nocauteante beleza. Tenho vida própria, me faça sentir saudades, conte algumas coisas que me façam rir, mas não conte piadas e nem seja preconceituoso, não perca tempo, cultivando este tipo de herança de seus pais. Viaje antes de me conhecer, sofra antes de mim para reconhecer-me um porto, um albergue da juventude. Eu saio em conta, você não gastará muito comigo. Acredite nas verdades que digo e também nas mentiras, elas serão raras e sempre por uma boa causa. Respeite meu choro, me deixe sózinha, só volte quando eu chamar e, não me obedeça sempre que eu também gosto de ser contrariada. ( Então fique comigo quando eu chorar, combinado?). Seja mais forte que eu e menos altruísta! Não se vista tão bem... gosto de camisa para fora da calça, gosto de braços, gosto de pernas e muito de pescoço. Reverenciarei tudo em você que estiver a meu gosto: boca, cabelos, os pelos do peito e um joelho esfolado, você tem que se esfolar as vezes, mesmo na sua idade. Leia, escolha seus próprios livros, releia-os. Odeie a vida doméstica e os agitos noturnos. Seja um pouco caseiro e um pouco da vida, não de boate que isto é coisa de gente triste. Não seja escravo da televisão, nem xiita contra. Nem escravo meu, nem filho meu, nem meu pai. Escolha um papel para você que ainda não tenha sido preenchido e o invente muitas vezes.

Me enlouqueça uma vez por mês mas, me faça uma louca boa, uma louca que ache graça em tudo que rime com louca: loba, boba, rouca, boca ... Goste de música e de sexo. goste de um esporte não muito banal. Não invente de querer muitos filhos, me carregar pra a missa, apresentar sua familia... isso a gente vê depois ... se calhar ... Deixa eu dirigir o seu carro, que você adora. Quero ver você nervoso, inquieto, olhe para outras mulheres, tenha amigos e digam muitas bobagens juntos. Não me conte seus segredos ... me faça massagem nas costas. Não fume, beba, chore, eleja algumas contravenções. Me rapte! Se nada disso funcionar ... experimente me amar!

Martha Medeiros
A intimidade gera a falta de consideração, todavia a consideração gera a intimidade, a chave de um bom relacionamento duradouro é descobrir como manter a consideração a quem nos tornamos intimos.

Moacir Costa

sábado, 14 de janeiro de 2012

Amar!

Eu quero amar, amar perdidamente!
Amar só por amar: Aqui... além...
Mais Este e Aquele, o Outro e toda a gente
Amar! Amar! E não amar ninguém!

Recordar? Esquecer? Indiferente!...
Prender ou desprender? É mal? É bem?
Quem disser que se pode amar alguém
Durante a vida inteira é porque mente!


Há uma Primavera em cada vida:
É preciso cantá-la assim florida,
Pois se Deus nos deu voz, foi pra cantar!

E se um dia hei-de ser pó, cinza e nada
Que seja a minha noite uma alvorada,
Que me saiba perder... pra me encontrar...

Florbela Espanca

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Sem remédio

Aqueles que me têm muito amor
Não sabem o que sinto e o que sou...
Não sabem que passou, um dia, a Dor
À minha porta e, nesse dia, entrou.

E é desde então que eu sinto este pavor,
Este frio que anda em mim, e que gelou
O que de bom me deu Nosso Senhor!
Se eu nem sei por onde ando e onde vou!!

Sinto os passos de Dor, essa cadência
Que é já tortura infinda, que é demência!
Que é já vontade doida de gritar!

E é sempre a mesma mágoa, o mesmo tédio,
A mesma angústia funda, sem remédio,
Andando atrás de mim, sem me largar!

Florbela Espanca

Eu...


Eu sou a que no mundo anda perdida,
Eu sou a que na vida não tem norte,
Sou a irmã do Sonho,e desta sorte
Sou a crucificada ... a dolorida ...

Sombra de névoa tênue e esvaecida,
E que o destino amargo, triste e forte,
Impele brutalmente para a morte!
Alma de luto sempre incompreendida!...

Sou aquela que passa e ninguém vê...
Sou a que chamam triste sem o ser...
Sou a que chora sem saber porquê...

Sou talvez a visão que Alguém sonhou,
Alguém que veio ao mundo pra me ver,
E que nunca na vida me encontrou!

Florbela Espanca

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

 
Acho ruim e feio cobrar, pedir, chamar a atenção. Certas coisas não tinham que ser ditas, eram para ser percebidas. E, me desculpe, isso nada tem a ver com expectativas. Isso tem a ver com enxergar o outro.
 
Clarissa Corrêa 
 
 
 

Nunca devemos envergonharmo-nos das nossas próprias lágrimas. C.D.


" Eu amei contra a razão,
contra a promessa,
contra a paz,
contra a esperança,
contra a felicidade,
contra todo o desencorajamento que existe."

Charles Dickens

Eu não quero pensar no que virá: quero pensar no que é agora. No que está sendo. Caio F. A.

 
  Ando tentando não conversar, não amar, nem sequer gostar,
não me apegar, não voltar atrás,
não repensar, ignorar, me manter distante.
Ando tentando superar.

Tati Bernardi

Sou uma pessoa Paciente! - Minha internet é 3G.


Postar estar sendo uma custa. Comentar quase impossível.
- É ameaçar uma garoasinha o sinal já cai para o centro da Terra. 
Só me custa ter calma, paciência e esperar.

Williane Santos



terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Gosto de pessoas que não perguntam porque estou calado. Gosto de pessoas que entendem o meu silêncio e apenas continuam ali.
Caio Fernando Abreu
— Quem não procura, não sente falta.
— Engano seu. A saudade é grande, mas o orgulho é ainda maior.
Caio Fernando Abreu

domingo, 8 de janeiro de 2012

A IMPONTUALIDADE DO AMOR

Você está sozinho. Você e a torcida do Flamengo. Em frente a tevê, devora dois pacotes de Doritos enquanto espera o telefone tocar. Bem que podia ser hoje, bem que podia ser agora, um amor novinho em folha.

Trimmm! É sua mãe, quem mais poderia ser? Amor nenhum faz chamadas por telepatia. Amor não atende com hora marcada. Ele pode chegar antes do esperado e encontrar você numa fase galinha, sem disposição para relacionamentos sérios. Ele passa batido e você nem aí. Ou pode chegar tarde demais e encontrar você desiludido da vida, desconfiado, cheio de olheiras. O amor dá meia-volta, volver. Por que o amor nunca chega na hora certa?


Agora, por exemplo, que você está de banho tomado e camisa jeans. Agora que você está empregado, lavou o carro e está com grana para um cinema. Agora que você pintou o apartamento, ganhou um porta-retrato e começou a gostar de jazz. Agora que você está com o coração às moscas e morrendo de frio.


O amor aparece quando menos se espera e de onde menos se imagina. Você passa uma festa inteira hipnotizado por alguém que nem lhe enxerga, e mal repara em outro alguém que só tem olhos pra você. Ou então fica arrasado porque não foi pra praia no final de semana. Toda a sua turma está lá, azarando-se uns aos outros. Sentindo-se um ET perdido na cidade grande, você busca refúgio numa locadora de vídeo, sem prever que ali mesmo, na locadora, irá encontrar a pessoa que dará sentido a sua vida. O amor é que nem tesourinha de unhas, nunca está onde a gente pensa.


O jeito é direcionar o radar para norte, sul, leste e oeste. Seu amor pode estar no corredor de um supermercado, pode estar impaciente na fila de um banco, pode estar pechinchando numa livraria, pode estar cantarolando sozinho dentro de um carro. Pode estar aqui mesmo, no computador, dando o maior mole. O amor está em todos os lugares, você que não procura direito.


A primeira lição está dada: o amor é onipresente. Agora a segunda: mas é imprevisível. Jamais espere ouvir "eu te amo" num jantar à luz de velas, no dia dos namorados. Ou receber flores logo após a primeira transa. O amor odeia clichês. Você vai ouvir "eu te amo" numa terça-feira, às quatro da tarde, depois de uma discussão, e as flores vão chegar no dia que você tirar carteira de motorista, depois de aprovado no teste de baliza. Idealizar é sofrer. Amar é surpreender.

Martha Medeiros

Algum Dia


Como os dias vão
E vêem as noites
Eu ainda pergunto
Porque você partiu.
Eu quero saber como
Isso não deu certo.
Mas você se foi
E memórias
São tudo que tenho agora.
Mas não isso não terminou.

Nós vamos envelhecer,
Nós vamos superar,
Nós vamos viver
Para ver o dia
Que espero
voltar para mim.
Eu ainda acredito.
Nós vamos conseguir novamente.
Nós vamos voltar
A viver de novo.
Nós não vamos dizer
Outro adeus novamente.
Você vai
viver para sempre comigo.
Algum dia, algum dia
Vamos estar juntos.
Algum dia, algum dia
Vamos estar juntos.
Eu ouço algum dia
Podendo ser hoje.
Mistérios do destino
São de algum modo e,
Por alguma razão,
Tudo que sabemos.
Eles resultam o amanhã
De hoje.
Meus olhos estão abertos,
Meus braços estão levantados
Para o seu abraço,
Minhas mãos
Estão aqui para emendar
O que está partido,
Para sentir novamente
O seu rosto.
Eu creio que aí
é mais para viver.

Oh! Eu amo você
Muito mais
Que a vida e ainda
Acredito.
Eu posso mudar sua memória,reviver
O que por dentro está morto
E algum dia, algum dia
Vamos estar juntos.
Algum dia, algum dia
Vamos estar juntos
Algum dia, algum dia
Vamos estar juntos
Vamos estar juntos
Vamos estar juntos
Algum dia

Música: Someday do filme "O Som do Coração"
Ps.: Filme PERFEITOOOOOOOOOOO

sábado, 7 de janeiro de 2012

"Com muito custo, chacoalhei minhas mangas. E só eu sei o quanto doeu ver a melhor coisa do mundo indo embora. Doeu um, dois dias. No terceiro, a melhor coisa do mundo virou a melhorzinha. Que virou a décima melhor. Que virou nada." - Tati Bernardi

 
"Ou simplesmente "continuo", porque já não temos mais idade para, dramaticamente, usarmos palavras grandiloqüentes como "sempre" ou "nunca". Ninguém sabe como, mas aos poucos fomos aprendendo sobre a continuidade da vida, das pessoas e das coisas. Já não tentamos o suicidio nem cometemos gestos tresloucados. Alguns, sim - nós, não. Contidamente, continuamos. E substituimos expressões fatais como "não resistirei" por outras mais mansas, como "sei que vai passar". Esse o nosso jeito de continuar, o mais eficiente e também o mais cômodo, porque não implica em decisões, apenas em paciência.
Claro que no começo não terás sono ou dormirás demais. Fumarás muito, também, e talvez até mesmo te permitas tomar alguns desses comprimidos para disfarçar a dor. Claro que no começo, pouco depois de acordar, olhando à tua volta a paisagem de todo dia, sentirás atravessada não sabes se na garganta ou no peito ou na mente - e não importa - essa coisa que chamarás com cuidado, de "uma ausência". E haverá momentos em que esse osso duro se transformará numa espécie de coroa de arame farpado sobre tua cabeça, em garras, ratoeira e tenazes no teu coração. Atravessarás o dia fazendo coisas como tirar a poeira de livros antigos e velhos discos, como se não houvesse nada mais importante a fazer. E caminharás devagar pela casa, molhando as plantas e abrindo janelas para que sopre esse vento que deve levar embora memórias e cansaços."
Caio Fernando Abreu
"Sonhei que você sonhava comigo. Parece simples, mas me deixa inquieto. Cá entre nós, é um tanto atrevido supor a mim mesmo capaz de atravessar — mentalmente, dormindo ou acordado — todo esse espaço que nos separa e, de alguma forma que não compreendo, penetrar nessa região onde acontecem os seus sonhos para criar alguma situação onde, no fundo da sua mente, eu passasse a ter alguma espécie de existência. Não, não me atrevo. Então fico ainda mais confuso, porque também não sei se tudo isso não teria sido nem sonho, nem imaginação ou delírio, mas outra viagem chamada desejo."


"Um passo para a frente e cem para trás. Retrocessos. Descaminhos. Procuro sinais de algum amor teu. Vestígios de noites passadas. Tu não me vês, estou incógnita a te observar. Como sempre estive, olhando pelas janelas, de longe, coração apertado. Nós poderíamos ser amigos e trocar confidências. Assistiríamos a filmes, taça de vinho nas mãos, e tu me detalharias as tuas paixões e desatinos. Nós poderíamos ser amantes que bebem champanhe pela manhã aos beijos num hotel em Paris. Caminharíamos pela beira do Sena, e eu te olharia atenta, numa tentativa indisfarçável de gravar o momento e guardá-lo comigo até o fim dos meus dias. Ou poderíamos ser apenas o que somos, duas pessoas com uma ligação estranha, sutilezas e asperezas subentendidas, possibilidades de surpresas boas. Ou não. Difícil saber. Bato minhas asas em retirada. Tu dormes, e nos teus sonhos mais secretos, não posso entrar. Embora queira. À distância, permaneço te contemplando. E me pergunto se, quem sabe um dia, na hora certa, nosso encontro pode acontecer inteiro. Porque tu és o único que habita a minha solidão."


 Ps.: Caio fez essas coisas para nós... quanto mais leio Caio fico assim toda boba com ele.

Só Depois

"...Mas só poderei me aproximar dos outros depois que começar a desvendar a mim mesmo. Antes de estender os braços, preciso saber o que há dentro desses braços, porque não quero dar somente o vazio. Também não quero me buscar nos outros, me amoldar ao que eles pensam, e no fim não saber distinguir o pensar deles do meu."
 
Caio F. Abreu
"Ela não queria entrar noutra história, porque doía. Ela tinha assumido seu destino de mulher totalmente liberada, porém profundamente imcompreendida. E aceitava a solidão inevitável."

 
"Avisei que não dou mais nenhum sinal de vida, e não darei. Não é mais possível. Não vou me alimentar de ilusões. Prefiro reconhecer com o máximo de tranquilidade possível que estou só do que ficar à mercê de visitas adiadas e encontros transferidos."

Caio F. Abreu

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

As Vezes

"A gente sempre acha que é especial na vida de alguém, mas o que te garante que você não está somente servindo pra tapar buracos, servindo de curativo pras feridas antigas? Porque amar também é isso, não? Dar o seu melhor pra curar outra pessoa de todos os golpes, até que ela fique bem e te deixe pra trás, fraco e sangrando. Daí você espera por alguém que venha te curar. As vezes esse alguém aparece, outras vezes, não."
 

"Claro que você não tem culpa, coração, caímos exatamente na mesma ratoeira, a única diferença é que você pensa que pode escapar, e eu quero chafurdar na dor deste ferro enfiado fundo na minha garganta seca que só umedece com vodka, me passa o cigarro, não, não estou desesperada, não mais do que sempre estive, nothing special, baby, não estou louca nem bêbada, estou é lúcida pra caralho e sei claramente que não tenho nenhuma saída."

Caio F. Abreu 

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Continuidade


O tempo, superestimado, não muda nada. Só faz confundir realidade e passado num borrão sem cor. Eu vivo de acreditar na próxima semana, minhas esperanças estão no próximo mês. Quando me oferecem um próximo ano e contam as horas e os segundos pra que ele chegue, eu só quero me cobrir até os olhos e pedir arrego do mundo. Não me faça encarar toda a responsabilidade de um novo tempo, não posso admitir que cheguei ao fim do prazo sem cumprir com meus planos. (Verônica Heiss)
..........................................................
"Esse réveillon teve tanta comida que eu nem sabia o que comer primeiro. Teve meu pai em casa. Teve eu e minha irmã dançando Kuduru. Teve banho gelado de mar as 3h da manhã. Teve vodca no lugar do espumante. Teve muitos fogos no céu. Muita areia no pé. Muita risada em família. Teve uma presença inusitada. Teve uma estrala cadente.  E teve um moço lindo de tatuagens me olhando cheio de expectativas que infelizmente por agora não posso atender."
..........................................................
Depois de muitos anos meu pai passou o réveillon em casa. Já não é mais o JD daquela boate na praia. Essa semana faz um ano que meus pais conquistaram mais um imóvel e transferiram o negocio da família para lá aos poucos. Meus pais como a maiorias das pessoas desse mundo entraram no ano novo cheios de planejamentos, metas e ideias.
Já eu não. Me limitei a pedir paciência, saúde e determinação. E como não acho absurdo, cai na crença da cor que atrai o que se quer e usei um amarelo para chamar dinheiro (não custa nada tentar né?).
Esse ano não é um recomeço para mim. É uma continuação. A minha renovação vem acontecendo quase que todos os dias. Cada dia para mim é um degrau conquistado rumo ao topo da escada. Comecei tempos atrás coisas que preciso terminar. Não posso adiar matando o tempo com coisas que não me acrescentam e que não fazem parte daquilo que eu quero. Nesse aparente último tempo não cair na dor das datas que me enchiam antes de expectativas, esperanças vazias e ansiedades. Todas elas nesses últimos anos só me preencheram de frustações por metas não conquistadas ou por sonhos não realizados. Eu preciso continuar o que comecei e terminar, e só. Nada mais. Não deixo mais coisas simples parecerem tão grandiosas. O que era o dragão de sete cabeças se tornou numa lagartixa raquítica. - Essas coisas são ainda tudo aquilo que quero muito e sei que mudarão e ajudarão demais na minha vida no futuro, mais por agora não posso exagera-las. A importância delas na minha vida ainda é a mesma, mais as encaro de uma maneira drasticamente diferente. Enquanto houver letras no alfabeto e números infinitos, usarei todos os planos necessários para tonar meus sonhos em realidade. E não vou esperar futuro nenhum chegar se existe o agora para fazer algo melhor mesmo que pequeno ou aceitar que o ano só começa depois do carnaval. Nem vou parar meu mundo para alguém que se diz interessado em mim ou cair nas bobagens que fiz há um ano num estado de magoa, raiva e frustação.
No final de tudo isso haverá uma recompensa só minha. E ninguém irá obtê-la no meu lugar. Afinal ninguém pode fazer aquilo que só eu posso e quero fazer. Não posso parar logo agora que estou no meio do caminho e apagar tudo que fiz só porque não obtive o resultado que eu queria de imediato. Paciência!
Determinação, trabalho, estudo, disciplina, fé... tudo isso vezes Muito. – Entrei no meu limite e preciso ultrapassa-lo. Como já disse Paulo C. “Quem está no limite, age diferente”. E escolhi fazer a minha diferença. Olhar para mim no mais profundo egoísmo. Se não estou agora publicando bobagens e me exibindo em fotos nas redes sociais é por que simplesmente não acho graça e não quero por agora. Se não estou na festa no meio de “amigos” é por que nenhuma dessas pessoas no momento não tem por nada a me oferecer. E não sou má nem melhor que alguém por dizer isso. Eu apenas sei que nenhuma delas suportaria olhar como é cá dentro de verdade. As profundidades assustam quando olhadas um pouco de perto. Eu sempre tive ouvidos, colo, tempo e mãos para acolher alguém e continuo tendo. Só não as dou assim tão mais fácil e de graça. As pessoas a meu ver, precisam aprender a pedir o que realmente precisam e eu precisava aprender a não fazer o que eu não queria. – De ser tão de graça para alguém e dos outros paguei muito caro com dores que não desejo a ninguém.
E que uma real? – Os anos só têm números diferentes. Os dias que se aparentam em pequenas igualdades é que fazem a grande diferença em nossas vidas. Não jogue o peso que você criou num ano inteiro, pois no final de tudo sempre se deixa para o próximo e próximo e próximo... Distribua tudo ao longo dos dias e logo irá perceber a leveza que se tornou carregar um sonho e a clareza de ideias para transforma-lo em realidade. É com calma que se aprende o milagre de viver de verdade a cada dia.
É preciso aprender para se ter. Que seja doce todos os 365 dias.

Williane Santos

domingo, 1 de janeiro de 2012

Feliz Ano Novo! Glückliches Neues Jahr! Nytar! Feliz Año Nuevo! Felicigan Novan Jaron! Heureuse Nouvelle Année! Feliz Aninovo! Shaná Tová! Happy New Year! Felice Nuovo Anno! Akemashite Omedetou Gozaimasu!

Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente.  Carlos Drummond de Andrade
 

De repente num momento fugaz,
os fogos de artifício anunciam
que o ano novo está presente
e o ano velho ficou para trás.

De repente, num instante fugaz,

as taças se cruzam
e o champagne borbulhante anuncia que 
o ano velho se foi e o ano novo chegou.
 
De repente, os olhos se cruzam,
as mãos se entrelaçam
e os seres humanos,
num abraço caloroso,
num só pensamento,
exprimem um só desejo
e uma só aspiração:
PAZ e AMOR.

De repente , não importa a nação;

não importa a língua,
não importa a cor,
não importa a origem,
porque sendo humanos e descendentes de um só Pai,
lembramo-nos apenas de um só verbo: AMOR.

De repente, sem mágoa, sem rancor, sem ódio,

cantamos uma só canção,
um só hino:
o da LIBERDADE.

De repente, esquecemos e lembramos do futuro venturoso,

e de como é bom VIVER.


Para você ganhar belíssimo Ano Novo...
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.


Não precisa chorar de arrependimento
pelas besteiras consumadas nem
parvamente acreditar que por decreto


da esperança a partir de Janeiro
as coisas mudem e seja claridade,
recompensa, justiça entre os homens e as nações,

liberdade com cheiro e
gosto de pão matinal, direitos respeitados,
começando pelo direito augusto de viver.


Para ganhar um ano-novo que mereça
este nome, você, meu caro, tem de
merecê-lo, tem de fazê-lo novo,

Eu sei que não é fácil mas tente,
experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
dorme e espera desde sempre.

Autor desconhecido
  

                                                                      Resolvi fazer uma não-promessa. Acho que essa vai ser mais fácil de cumprir. Explico: menos expectativas. É isso. Minha promessa de ano novo é esperar menos, ser menos exigente. Comigo e com os outros. Descobri que as pessoas exigentes demais são as que se frustram na mesma proporção. Quanto mais a gente espera dos outros, mais a gente continua esperando.
Brena Braz

Que o velho morra para dar lugar ao novo...
Pois toda morte é um renascimento;
Que eu possa ir fundo, dentro de mim, para poder tocar o céu...
Que eu possa alcançar o horizonte...
Que eu possa ter tempo para tudo aquilo que deixei de realizar, e que poderia fazer a qualquer momento...
Que as horas passem devagar quando precisem... os dias menos depressa...
E que eu possa conquistar o atemporal. Não pelo que eu faço, mas por quem eu sou.
Além do sucesso, minha integridade. Além dos objetivos, minha inteireza.
Que eu possa perceber que sou eu quem carrego a chave das próprias prisões que crio..
E que eu me liberte, livre do medo, da angústia, da aflição...
E neste vôo, possa lançar as sementes do Amor.
Amor que todos devemos cultivar.
Além da bela silhueta, além dos preciosos amigos, além de qualquer explicação ou teoria lógica e lapidada.
Além de belos títulos de livros ou filmes. De boas marcas. De comentados lugares.
Eu possa me encontrar. Em tudo aquilo e mais um pouco. Ou menos.
E que eu possa refletir, como um espelho, todos a minha volta.
Que o porvir possa acalmar a ansiedade do dever-ser e do vir-a-ser
Porque eu ainda não sou, nada além, do que eu já sou.
E em mim, tudo basta. Mesmo quando me sinto vazio..
E que, diante do vazio, eu não me preencha com mais dele.
Mas possa decorar minha mente e minha alma de boas conversas, de poesia, de paisagens, de comida frugal e música.. daquelas que tocam o ser.
Que eu aprenda a perdoar, primeiro a mim, por não saber perdoar.
Que eu lembre do melhor e esqueça o necessário..
..O desnecessário para crescer. Pois crescer é inevitável.
E que o inevitável venha. E assim, eu aprenda a aceitar.
Que eu possa criar. Que eu volte a ser quem eu nunca fui, e quem um dia eu deixei de ser.
Sorrisos e lágrimas. Criador e criatura. Céu e terra.
Que os monstros se tornem disciplina e Compaixão.
Tenho equilíbrio. Procuro por mais.
Equilibrei-me por desequilibrar-me.
Além das palavras, o agradecimento contido em cada uma delas.
Pois é a experiência que me brinda com a realidade que me envolve.
Escada de degraus infinitos.
Um recomeço de um caminhar eterno.
Abençoado, próspero, tranquilo. Para mim e para você.
Só para você.
Só para mim.
2012. 

Guilherme Antunes


RECEITA DE ANO NOVO

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido
(mal vivido talvez ou sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser;
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?)


Não precisa
fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto de esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.

Para ganhar um Ano Novo

que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

Quero tudo novo de novo. Quero não sentir medo. Quero me entregar mais, me jogar mais, amar mais. Viajar até cansar. Quero sair pelo mundo. Quero fins de semana de praia. Aproveitar os amigos e abraçá-los mais. Quero ver mais filmes e comer mais pipoca, ler mais. Sair mais. Quero um trabalho novo. Quero não me atrasar tanto, nem me preocupar tanto. Quero morar sozinha, quero ter momentos de paz. Quero dançar mais. Comer mais brigadeiro de panela, acordar mais cedo e economizar mais. Sorrir mais, chorar menos e ajudar mais. Pensar mais e pensar menos. Andar mais de bicicleta. Ir mais vezes ao parque. Quero ser feliz, quero sossego, quero outra tatuagem. Quero me olhar mais. Cortar mais os cabelos. Tomar mais sol e mais banho de chuva. Preciso me concentrar mais, delirar mais. Não quero esperar mais, quero fazer mais, suar mais, cantar mais e mais. Quero conhecer mais pessoas. Quero olhar para frente e só o necessário para trás. Quero olhar nos olhos do que fez sofrer e sorrir e abraçar, sem mágoa. Quero pedir menos desculpas, sentir menos culpa. Quero mais chão, pouco vão e mais bolinhas de sabão. Quero aceitar menos, indagar mais, ousar mais. Experimentar mais. Quero menos “mas”. Quero não sentir tanta saudade. Quero mais e tudo o mais.
“E o resto que venha se vier, ou tiver que vir, ou não venha".

Fernando Pessoa


Não se deixe levar pelo dia que se apresenta no calendário.
Não se alegre e nem entristeça o seu coração por causa de uma data.
Simplesmente viva cada minuto como se fosse único.
Como quem respira feliz e sem aparelhos.
Não se perturbe o seu coração nem se turve a sua mente,
por causa desta ou daquela data,
pela falta de um presente.
Nem se a mesa está posta ou mal disposta.
Antes um simples pão com a benção de toda a família,
que uma ceia cheia de pratos e muita mágoa e hipocrisia.
Nesses dias em que as festas tentam reunir pessoas,
onde nem sempre a falsidade consegue sair dos corações,
é bom lembrar que é só mais um dia,
que o mais importante, o essencial,
não se enxerga com os olhos da materialidade fútil.
Apenas os que já conseguem ver com os olhos de ver,
descobrem que o tempo, sábio tempo,
conta cada segundo como tempo vivido,
e ai daquele que perde seus preciosos minutos
com o brilho falso do luxo, das festas, das bebidas,
e de tudo que é passageiro.
De tudo, o que fica é a sua experiência de vida,
os bons momentos, a alegria, o repartir e o compartilhar.
O resto, é enterrado nas areias do tempo,
coisa que nem um arqueólogo quer encontrar.
Viva este dia como se fosse o último,
mas sempre com sabedoria e amor,
porque sem amor, a vida é apenas o contar dos dias.
Feliz 2012!
Eu acredito em você

Paulo Roberto Gaefke


Todo o dia é ano novo. Todo dia é ano novo. Entre a lua e as estrelas num sorriso de criança no canto dos passarinhos num olhar, numa esperança... Todo dia é ano novo na harmonia das cores na natureza esquecida na fresca aragem da brisa na própria essência da vida. Todo dia é ano novo no regato cristalino pequeno servo do mar nas ondas lavando as praias na clara luz do luar... Todo dia é ano novo na escuridão do infinito todo ponteado de estrelas na amplidão do universo no simples prazer de vê-las nos segredos desta vida no germinar da semente. Todo dia é ano novo nos movimentos da Terra que gira  incessantemente. Todo dia é ano novo no orvalho sobre a relva na passarela que encanta no cheiro que vem da terra e no sol que se levanta. Todo dia é ano novo nas flores que desabrocham perfumando a atmosfera nas folhas novas que brotam anunciando a primavera. Você é capaz, é paz. É esperança Todo dia é ano novo no colorido mais belo dos olhos dos filhos seus... Você é paz, é amora alegria de Deus. Não há vida sem volta e não há volta sem vida no ciclo da natureza neste ir e vir constante. No broto que se renova na vida que segue adiante em quem semeia bondade em quem ajuda o irmão colhendo felicidade cumprindo a sua missão. Todo dia é ano novo...portanto...feliz ano novo todo dia!
desconhecido

Despedida

Na verdade, eu vim apenas para me despedir.
Dar um adeus discreto, pois sei que você já nem pensa mais em mim.
E de verdade, sei que o seu pensamento está voltado para o outro,
por isso não vou me demorar em longos comentários.
Lógico que nosso relacionamento daria uma bela história,
em algumas ocasiões, um romance cheio de sentimentos,
em outras, um drama capaz de arrancar lágrimas.
Mas, cá entre nós, teve alguns momentos em que só rindo hein?
Cada besteira, cada coisa sem noção…
Então, eu pude observar o seu intimo,
sei das suas qualidades e seus “defeitinhos”.
Vi você se entregar para uma emoção,
chorar diante da televisão,
morrer de rir ao reconhecer sua trapalhada,
ficar morrendo de raiva ao descobrir uma mentira,
e esconder lágrimas no travesseiro,
na noite que parecia não ter fim.
Sim, eu vi!
Mas, agora é tempo de nos separarmos.
E de tempo eu entendo, vivo dele e se tivesse mais,
mais eu te concederia, pois me agradei da sua companhia.
Está na hora de partir, estou quase no fim,
se puder, faça-me um favor, não se esqueça de mim.
Jamais me esquecerei de ti.
Estou indo, agarre-se ao novo que está chegando,
viva-o intensamente.
Pois logo, logo, ele também vai passar.
E assim, será a sua vida, sempre um recomeçar,
mesmo quando parece uma partida.
Isso não é um adeus, é apenas uma despedida.
Do seu amigo ano velho, desejando-lhe um Feliz Ano Novo.

Paulo Roberto Gaefke


Jamais haverá ano novo, 
se continuar a copiar 
os erros dos anos velhos. 
Luís de Camões


"Te desejo uma fé enorme.
Em qualquer coisa, não importa o quê.
Desejo esperanças novinhas em folha, todos os dias.
Tomara que a gente não desista de ser quem é por nada nem ninguém deste mundo.
Que a gente reconheça o poder do outro sem esquecer do nosso.
Que as mentiras alheias não confundam as nossas verdades, mesmo que as mentiras e as verdades sejam impermanentes.
Que friagem nenhuma seja capaz de encabular o nosso calor mais bonito.
Que, mesmo quando estivermos doendo, não percamos de vista nem de sonho a ideia da alegria.
Tomara que apesar dos apesares todos, a gente continue tendo valentia suficiente para não abrir mão de se sentir feliz.
As coisas vão dar certo.
Vai ter amor, vai ter fé, vai ter paz – se não tiver, a gente inventa.
Te quero ver feliz, te quero ver sem melancolia nenhuma.
Certo, muitas ilusões dançaram.
Mas eu me recuso a descrer absolutamente de tudo, eu faço força para manter algumas esperanças acesas, como velas.
Que 2012 seja doce. Repito sete vezes para dar sorte: que seja doce que seja doce que seja doce e assim por diante.
Que seja bom o que vier, pra você."
Caio Fernando Abreu 



Que 2012 seja Feliz do começo ao fim! Que o amor renasça sempre! Que seja inteirinho doce, lindo... Que agente saiba lidar com os nossos momentos baixos e mantenhamos a humildade nos altos. Que seja de coisas novas, amigos novos, trabalho novo, sonhos novos... Que agente se renove, seja mais forte, mais brando... Que 2012 seja uma aventura maravilhosa... Que agente se divirta, se compartilhe e se ilumine com os pequenos milagres... Que agente ajude mais o outro e que agente nunca esqueça da nossa existência... Que 2012 seja limpo, cheio de alegrias... Que seja de novas ideias, sem preconceito, sem magoas, sem dores e cheio de realizações! Que seja prospero, que seja forte... Que seja tudo aquilo que podemos ser! Aproveite, 2012 é um livro em branco para ser escrito apenas por você!
 Saúde, Paz, Axé, Fé, Respeito, Graça, Amor, Alegria, Oxalá, Esperança sempre... Amém!
 Williane Santos



Ps: Meus agradecimentos há 2011... aprendi muito com você!