quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Reflexo


Há uma mulher desconhecida em meu espelho e eu fiquei arrogantemente incrédula na sua frente me perguntando: quem é ela ou se já não a conheço. Penso por vezes que sim, mas estar meio indecifrável reconhecê-la. Do nada o quebra cabeça se completa e me bate uma certeza de quem se trata e tomo um susto. Viro o rosto e tento fingir desconhece-la, mas não consigo. Como se não pudesse fugir das lembranças que ela refletiu em mim a encaro nos olhos e vejo todas às historias que estão escondidas ali, no fundo dos olhos daquela mulher que vejo. Nela a uma menina amedrontada escondida em meio a cacos e poeiras de um caos incontrolável, dores semiapagadas, uma fonte de lagrimas já seca, feridas quase cicatrizadas, chegadas e despedidas destrutivas, sonhos calejados, magoas, frustações, caminhos desviados, tempos perdidos e um olhar penetrante de desespero de quem já pediu muita ajuda e não conseguiu. A naquele espelho alguém que já se afundou em tempestades de depressão por ter dando tanto do seu calor que se tornou ar frio. Á perdão dentro daquela mulher, mas não esquecimento. Tentei ignora-la mais uma vez, mas não consegui. Quis coloca-la no colo e segurar todo aquele sofrimento, mas nada daquilo cabia em minhas mãos. Logo me veio certo calafrio, pois dava pra ver um lago fundo e escuro se criando por dentro dela feito de lagrimas pesadas e carregadas de um passado que não escorria para o lado de fora. E de uma forma estranha ela me mostrava uma força destemida e determinada em se segurar. Ela tentava imitar meu autocontrole e eu tentava ensina-la, mas era algo que me parecia impossível. A mulher no meu espelho é meio indomada naquela gaiola de vidro e chora por muito tempo no cato quase sem reflexo do espelho tentando se esconder por lá, mas eu a vejo em prantos todos os dias e mais ninguém. Vejo nela certa vergonha em apenas existir, em apenas sentir. Há momentos em que seus olhos se voltam para mim e posso dizer que seu coração endurecido se quebra com facilidade por lembranças de pessoas que não a deixam na memoria. Eu vejo nela um cansaço por tanto tentar e por tanto sofrer. A mulher em meu espelho sofre por me ver tão forte e dura na queda, por não me deixar abater e seguir, e como ironia tenta se espelhar em mim como se eu lhe fosse à única criatura confiável nesse seu mundo isolado. A mulher no meu espelho tem um olhar gélido e frio que me assusta e por vezes me sufoca. A mulher do meu espelho ainda dói por um amor falido, por um sonho destruído e por seus pedaços arrancados que foram mastigados em miudezas e cuspidos na lata do lixo. Eu adoraria ajuda-la, mas quando ela me olha de volta em pleno desespero tenho mais certeza de que nada nessa vida é realmente fácil. Mas sei que o melhor para ela não faz mais parte do passado. Ela precisa aprender nem que seja dessa pior maneira de que é preciso lutar e nunca desistir, pois não quero vê-la mais como ela era antes. Sei que estou sendo dura e que apesar do meu egoísmo momentâneo a dor alheia é algo fora de cogitação, mas mesmo assim ainda acho triste e difícil aceitar seu sofrimento. Acredito que ela existe para ser feliz, que merece se realizar e acho injusto ver sua alma tão maltratada. É nessas horas que paro no tempo só olhando pra ela no fundo do espelho e vejo que não perdi minha fragilidade humana. Por mais que eu não queira acreditar não posso negar no que meus olhos são capazes de ver. Que a mulher no meu espelho sou eu e o que eu fui querendo ser com urgência o que eu ainda irei  de ser.

Williane Santos

2 comentários:

  1. Olá, venho aqui para divulgar uma nova parceria.Este novo blog, vai ajudar a todas, tirando duvidas sobre make’s, look’s etc.Temos poucos dias de publicação, mas já estará podendo visualizar 3 novas postagens. E se poder, ajude-nos a divulgar é fácil,basta acessar este link http://umquepebranco.blogspot.com/p/tag.html e escolher um banner para colocar no seu blog. Beijos e desde já muito obrigada.
    Se gosta é so nos seguir (:
    HTTP://pontodcharme.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Por vezes agente fica assim perante nós mesmos...ficando confusos com as transformações...sempre bom passar aqui e viajar..bj

    ResponderExcluir

Você lê e sofre. Você lê e sorri. Você lê e engasga. Você lê e tem arrepios. Você lê, e sua vida vai se misturando no que está sendo lido. Caio F. Abreu